quinta-feira, setembro 04, 2008

EUA: Pressão Por Economia de Combustível

Para economizar combustível, as cias americanas estão fazendo de tudo. Redução do entretenimento de bordo, cadeiras mais leves, desligar o ar condicionado e motor durante o tempo em que o avião permanecer em solo parado e até reduzir a quantidade de combustível transportado (reduzindo peso da aeronave e por conseguinte o combustível gasto).

Os sindicatos dos pilotos e pessoal de bordo das cias americanas estão travando uma batalha nesses tempos de crise na aviação americana. Os sindicatos acusam as cias de fazer pressão sobre os pilotos a fim de que os mesmo coloquem o mínimo de combustível na aeronave (a quantidade é uma decisão do piloto) reduzindo a margem de segurança em um caso de pane da aeronave. As cias negam tal pressão e ainda acusam os pilotos de estarem usando mais atestados médicos do que o usual para justificar faltas ao serviço.

Não sei se essa redução na quantidade de combustível afeta a segurança, já que não aumentou o número de vôo que tiveram que pousar antes da hora por falta de combustível, mas ficou bem claro na minha viagem que os aviões em solo estão insuportavelmente quentes (ar condicionado desligado até o último minuto) e que as cias em caso de imprevistos meteorológicos estão tendo que fazer pousos em aeroportos alternativos ao invés de ficar aguardando no ar a melhora das condições do tempo no aeroporto de destino.
Recentemente, uma cia canadense decidiu retirar os salva-vidas dos aviões para economizar menos de 50 kg de peso, justificando que não faz vôos sobre o mar (apenas sobre os Grandes Lagos). Mudanças nas pinturas (menores camadas), desligar o ar condicionado em terra e motores durante a espera por decolagem tem se tornado regra por lá.

3 comentários:

douglas disse...

fiz uma simulaçao de compra no site da gol:
guarulhos-porto seguro ida27/09, volta 4/10 preços respectivos 335/335
guarulhos- porto seguro ´so ida 27/09, 419
guarulhos- porto seguro ida 27/09/2008 e volta 04/07/2009, preços respectivos 251 /251
porque estes disparates?

Anônimo disse...

Rodrigo, a pressão das cias dá medo.
O tema do combustível é um problema irresoluto, por agora.
Tchau.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Douglas,

Na teoria vôos mais distantes do dia de hoje tem uma ocupação menor e contam com tarifas mais baixas disponíveis para a venda. Na prática ninguém explica...

Carmen,

Pelo menos o preço está ficando em torno de 100 USD contra uns 140USD que chegou recentemente. Duvido é que se vier a cair, as cias voltem a oferecer o que ofereciam antes...

Um abraço

quinta-feira, setembro 04, 2008

EUA: Pressão Por Economia de Combustível

Para economizar combustível, as cias americanas estão fazendo de tudo. Redução do entretenimento de bordo, cadeiras mais leves, desligar o ar condicionado e motor durante o tempo em que o avião permanecer em solo parado e até reduzir a quantidade de combustível transportado (reduzindo peso da aeronave e por conseguinte o combustível gasto).

Os sindicatos dos pilotos e pessoal de bordo das cias americanas estão travando uma batalha nesses tempos de crise na aviação americana. Os sindicatos acusam as cias de fazer pressão sobre os pilotos a fim de que os mesmo coloquem o mínimo de combustível na aeronave (a quantidade é uma decisão do piloto) reduzindo a margem de segurança em um caso de pane da aeronave. As cias negam tal pressão e ainda acusam os pilotos de estarem usando mais atestados médicos do que o usual para justificar faltas ao serviço.

Não sei se essa redução na quantidade de combustível afeta a segurança, já que não aumentou o número de vôo que tiveram que pousar antes da hora por falta de combustível, mas ficou bem claro na minha viagem que os aviões em solo estão insuportavelmente quentes (ar condicionado desligado até o último minuto) e que as cias em caso de imprevistos meteorológicos estão tendo que fazer pousos em aeroportos alternativos ao invés de ficar aguardando no ar a melhora das condições do tempo no aeroporto de destino.
Recentemente, uma cia canadense decidiu retirar os salva-vidas dos aviões para economizar menos de 50 kg de peso, justificando que não faz vôos sobre o mar (apenas sobre os Grandes Lagos). Mudanças nas pinturas (menores camadas), desligar o ar condicionado em terra e motores durante a espera por decolagem tem se tornado regra por lá.

3 comentários:

douglas disse...

fiz uma simulaçao de compra no site da gol:
guarulhos-porto seguro ida27/09, volta 4/10 preços respectivos 335/335
guarulhos- porto seguro ´so ida 27/09, 419
guarulhos- porto seguro ida 27/09/2008 e volta 04/07/2009, preços respectivos 251 /251
porque estes disparates?

Anônimo disse...

Rodrigo, a pressão das cias dá medo.
O tema do combustível é um problema irresoluto, por agora.
Tchau.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Douglas,

Na teoria vôos mais distantes do dia de hoje tem uma ocupação menor e contam com tarifas mais baixas disponíveis para a venda. Na prática ninguém explica...

Carmen,

Pelo menos o preço está ficando em torno de 100 USD contra uns 140USD que chegou recentemente. Duvido é que se vier a cair, as cias voltem a oferecer o que ofereciam antes...

Um abraço

quinta-feira, setembro 04, 2008

EUA: Pressão Por Economia de Combustível

Para economizar combustível, as cias americanas estão fazendo de tudo. Redução do entretenimento de bordo, cadeiras mais leves, desligar o ar condicionado e motor durante o tempo em que o avião permanecer em solo parado e até reduzir a quantidade de combustível transportado (reduzindo peso da aeronave e por conseguinte o combustível gasto).

Os sindicatos dos pilotos e pessoal de bordo das cias americanas estão travando uma batalha nesses tempos de crise na aviação americana. Os sindicatos acusam as cias de fazer pressão sobre os pilotos a fim de que os mesmo coloquem o mínimo de combustível na aeronave (a quantidade é uma decisão do piloto) reduzindo a margem de segurança em um caso de pane da aeronave. As cias negam tal pressão e ainda acusam os pilotos de estarem usando mais atestados médicos do que o usual para justificar faltas ao serviço.

Não sei se essa redução na quantidade de combustível afeta a segurança, já que não aumentou o número de vôo que tiveram que pousar antes da hora por falta de combustível, mas ficou bem claro na minha viagem que os aviões em solo estão insuportavelmente quentes (ar condicionado desligado até o último minuto) e que as cias em caso de imprevistos meteorológicos estão tendo que fazer pousos em aeroportos alternativos ao invés de ficar aguardando no ar a melhora das condições do tempo no aeroporto de destino.
Recentemente, uma cia canadense decidiu retirar os salva-vidas dos aviões para economizar menos de 50 kg de peso, justificando que não faz vôos sobre o mar (apenas sobre os Grandes Lagos). Mudanças nas pinturas (menores camadas), desligar o ar condicionado em terra e motores durante a espera por decolagem tem se tornado regra por lá.

3 comentários:

douglas disse...

fiz uma simulaçao de compra no site da gol:
guarulhos-porto seguro ida27/09, volta 4/10 preços respectivos 335/335
guarulhos- porto seguro ´so ida 27/09, 419
guarulhos- porto seguro ida 27/09/2008 e volta 04/07/2009, preços respectivos 251 /251
porque estes disparates?

Anônimo disse...

Rodrigo, a pressão das cias dá medo.
O tema do combustível é um problema irresoluto, por agora.
Tchau.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Douglas,

Na teoria vôos mais distantes do dia de hoje tem uma ocupação menor e contam com tarifas mais baixas disponíveis para a venda. Na prática ninguém explica...

Carmen,

Pelo menos o preço está ficando em torno de 100 USD contra uns 140USD que chegou recentemente. Duvido é que se vier a cair, as cias voltem a oferecer o que ofereciam antes...

Um abraço