terça-feira, setembro 23, 2008

Bogotá: Microguia Para Quem For Fazer Conexão Por lá. A Cidade.


Vamos a algumas dicas que podem ser úteis para você que deciciu fazer uma paradinha em Bogotá.

Clima
Bogotá é a terceira capital mais alta do mundo (está a 2600 metros de altitude), o que pode causar mal estar para alguns devido ao ar rarefeito. Não senti nada, nem subindo as ladeiras do centro histórico, mas parti de Belo Horizonte que tem áreas com altitude de cerca de metade da de Bogotá.

Apesar de estar próxima a Linha do Equador, a temperatura costuma ser amena (20 graus) durante o dia chegando a ficar fria (uns 9 graus durante a noite). Durante a viagem, peguei dias agradáveis com noites um pouco frias, mas nada de insuportável com a ajuda de um casaco. Portanto, não esqueça de trazer um casaco quente e leve, mesmo sendo seu destino final a quente Miami. Uma chuvinha fraca também é comum por lá, mas nada que atrapalhe sua vida.

Dinheiro
A moeda corrente é o Cop (Peso Colombiano). Em setembro de 2008, 1000 Cops valiam cerca de 48 centavos de dólar americano ou 87 centavos de Reais.

Preços
Alimentação e transporte são um pouco mais baratos que as de Belo Horizonte, ou seja, preços mais baratos que os de São Paulo e Rio de Janeiro, mas nada que se compare a Buenos Aires.

A cidade
Bogotá é margeada em sua porção leste por montanhas. A cidade se desenvolveu no eixo Norte-Sul. Inicialmente, partiu do Sul em direção ao Norte. A Candelária (bairro colonial da cidade) está ao sul colado nas montanhas. Seguindo em direção norte, passa-se pelo centro de Bogotá (área sem maior interesse turístico e onde estão os arranha-céus de Bogotá) e posteriormente chega-se aos Distritos do Norte. A Carrera (av.) 10, situada a oeste das montanhas, meio que faz limite de até onde há interesse turístico e, segundo os guias, de até onde o turista pode andar mais tranqüilo.


Na Candelária e em seus arredores encontram-se a maioria dos pontos turísticos de maior interesse. Museu Del Oro (que encontra-se em reforma), A Casa de La Moneda (Museu do Banco de La Republica) onde podem ser vista uma amostra do acervo do Museu do Ouro e exposição de moedas antigas, além de estar germinada com a Donación Botero (onde há uma exposição permanente das obras de Botero, com entrada franca), Plaza de Bolívar (onde se situa o Congresso Nacional, a Prefeitura, a Suprema Corte e a Capilla del Sagrario, única remanescente do período colonial na praça). Ruas estreitas com passeios idem, algumas ladeiras, casas em estilo colonial espanhol, pequenos restaurantes, hotéis, pousadas e guesthouses.


No topo da montanha que margeia a Candelária, situa-se o Cerro de Monserrate que é um dos picos daquela cadeia montanhosa e onde se situa uma capela. De lá se tem uma bela vista da cidade. A subida ao topo é feita por teleféricos e por um trenzinho (funicular) que partem da estação Lower Station ao pé da Montanha. Apesar da estação estar próxima a Candelária, é aconselhável pegar um táxi até lá (uns 3000 a 4000 cops). Cada opção de subida tem seus horários e preços. Consulte-os aqui.


Sugiro fazer como eu fiz: pegue um táxi (mesmo se você estiver na vizinha Candelária) até a estação de onde partem o Bondinho e o funicular. Vá por volta das 5-6 horas (procure saber a que horas é o por do sol), com isso você pega um pouco da luz do dia e ainda vê o por do sol lá em cima. Existe uma pequena feirinha de lembranças, uma lanchonete, um restaurante popular e um outro sofisticado e estrelado lá no topo. Quando fui, poucas lojinhas estavam abertas, além da simples lanchonete e do restaurante sofisticado. Leve um agasalho. Segundo me informei, os finais de semana tem um movimento intenso.


Nos Distritos Norte concentram-se as zonas residenciais mais nobres, embaixadas e melhores restaurantes da cidade. Também é tida como a região mais segura de Bogotá. Não tive tempo de conhecê-la, já que 1 dia foi o tempo deixado para a conexão.

Hospedagem
Se você fizer questão de dormir em um hotel médio para cima em Bogotá, prepare-se para gastar no mínimo 90 USD por noite. Mesmo usando o Tripadvisor, não é fácil achar opções de hospedagem por esse preço. Mas se você topar dormir em pousadas com “p” minúsculo, albergues ou guesthouses com banheiro privativo, você encontrará algumas poucas opções por cerca de 70 reais a noite na região da Candelária (área histórica de Bogotá). Se for mochileiro e topar dormir em qualquer lugar, então você não terá problemas, já que os preços atingem valores dentro do padrão internacional para esse tipo de acomodação. Eu fiquei numa pousada com "p" minúuuusculo indicada pelo Lonely Planet. Como era para ser apenas uma noite e a ordem era economizar, foi ela a escolhida. Mas mesmo não ligando muito para hotéis (faço questão de localização próxima ao transporte público e banheiro limpo), essa não chega a atingir meus padrões mínimos de limpeza não, apesar da boa localização. Mas de vez em quando faço algumas concessões ao meu padrão....

Duas áreas se destacam para hospedagem: a Candelária (zona histórica) e nos Distritos Norte (zona nobre). Como o tempo era curto optei por ficar na Candelária, apesar de ser uma zona morta durante a noite (tarde da noite é recomendável andar de táxis). Não me arrependo da escolha do local não (a pousadiiiiinha era bem localizada). Não deu tempo para pesquisar outras opções de hospedagem. Se alguém tiver dicas, é só colocar nos comentários. O Aquela Passagem e os demais leitores agradecem!


Transporte
A cidade baseia-se nos táxis, ônibus, microônibus e no Transmilênio.

Os táxis não são caros, mas em sua maioria são do tipo micro-carro urbano de origem coreana, muito conveniente para as estreitas ruas da Candelária. O problema é que muitos não gostam de usar o taxímetro para nós turistas. Portanto, certifique-se que ele vai usá-lo antes de iniciar a corrida. O valor do taxímetro e transposto para uma tabela e lá se acha o preço final.

Os microônibus e ônibus rodam por vários locais e podem ser uma opção para quem está com orçamento mais curto.

O Transmilênio é uma adaptação colombiana do sistema de ônibus de Curitiba. Ônibus que andam em vias exclusivas cortando a cidade na forma de linhas de metrô e onde o embarque e desembarque são realizados em microestações elevadas em relação ao nível da rua. Uma passagem custa 1500 cops. Não cheguei a usá-lo, já que fiquei restrito a Candelária.

Segurança
Bogotá apresentou uma importante redução dos índices de violência nos últimos anos. Durante o dia é muito fácil encontrar policiais nas ruas (existe inclusive uma polícia turística muito presente na Candelária e Plaza de Bolivar). Tarde da noite (depois das 22:30) as ruas da Candelária se tornam mais vazias, inclusive de policiais, sendo recomendável o uso de táxi para ir de um ponto a outro. Me senti tão seguro quanto andando em uma de nossas cidades brasileiras. Portanto, tome os mesmos cuidados que você teria ao nadar em uma grande cidade brasileira. Os sequestros relâmpago são comuns por lá também...

Comida
Tanto na região da Candelária como nos Distritos Norte (gastronomia mais fina e boates), você encontrará boas opções para se comer. Lanchonetes, padarias, pizzarias, cafés com comidas regionais colombianas (não muito distantes do que se come no centro-sul do Brasil, talvez com um pouco mais de banana), francesas, judaicas, italianas, entre outras, estão disponíveis pelos quatro cantos da Candelária. Testei o Puerta Falsa (pequeno café onde comia meu desjejum), o Fulanitos(com comida do sul da Colômbia) e a padaria com pães franceses Peche Mignon. Nenhum deles ganha nota 10, mas não comprometem sua refeição. Preços um pouco abaixo dos pagos em São Paulo ou Rio de janeiro. Se seu orçamento estiver muito apertado, existe um supermercado ao lado da Plaza de Bolívar na carrera 7 em direção a Av Jiménez. Nessa mesma carrera existe um comércio variado e popular. Atenção, as pessoas comem cedo em Bogotá. Na Candelária, muitos restaurantes fecham as 9 da noite.

Bogotá é uma cidade que tem lá seus encantos, não é nenhum destino obrigatório para se conhecer, mas como parada obrigatória numa viagem merece ser conhecida. Impulsionada pelo crescimento econômico, a cidade tem crescido sem se entupir de prédios altos fechando seu horizonte. Mas isso é uma visão pessoal.

Dica final: No Frommers, as informações sobre Bogotá são restritas. Vale a pena então pagar 5 USD (eu paguei 3,50 USD numa promoção) e comprar uma cópia em PDF (que você pode imprimir na sua casa) na loja on-line do Lonely Planet. Uma licenca será enviado para seu email e você poderá fazer o download do capítulo. Ele vem com bons mapas e com a descrição de restaurantes e locais de hospedagem. O suficiente para se informar sobre a cidade em uma parada tão rápida como a eu fiz.

13 comentários:

Aline Lima disse...

Não tenho intenção de visitar Bogotá tão cedo, mas adorei as fotos!

Anônimo disse...

Viu essa noticia no FRadar que a Gol deixara memso de ser low-cost? Que confisao...

Rafael disse...

Parece que você descreveu a minha viagem !!! Fiquei num hotel recomendado pelo Lonely Planet (comprei o pdf no site tambem) a 3 quadras do museu da moeda e do botero, e paguei 40 mil pesos.
Eu só recomendaria ir caminhando até o Cerro MontSerrat, pois a caminhada é bastante agradável. E, no caminho, tem um Crepes y Wafles (http://www.crepesywaffles.com/), certamente o melhor lugar que me alimentei em bogotá.

Anônimo disse...

Rodrigo, o que considero muito importante nos depoimentos de viagem é que sempre há um encanto nos lugares que visitamos, mesmo aqueles não tidos com um destino de viagem, como Bogotá, por exemplo. Depois da sua descrição, Bogotá já me parece mais simpática. RosaBsb

Paula* disse...

Rodrigo, você arrebentou! Um super-micro-guia! Fiquei até com vontade de conhecer Bogotá! :-)
Paula*

Marceu disse...

Rodrigo, segue minha dúvida que central smiles não me convenceu. A minha volta é Bogotá - Florianópolis, que tem uma conexão em São Paulo, se eu quiser alterar somente a data da conexão? No caso específico esse vôo sai as 20:30, chegando em SP no outro dia as 5:30, ai de SP p/ Floripa é 12:36. Mas se eu quiser vir de SP para Floripa dois dias depois? Pelo que a atendente informou essa conexão deveria ocorrer em até 12h, Mas pelo seu conhecimento isso é verdade? Por fim, fui informado que além da vacina para febre amarela, deveremos ter a vacina da rubéola e também do sarampo. E ai? Valeu cara, está ótimo o seu super micro-guia. Parabéns!

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu sou feliz de ler o seu post tão viajante. Uma aventura terrestre, despois do voar tantas horas juntos em aquela passagem!!!
Parabéns por o post terrestre e espero voar muitas horas com você.
Um abraço
Carmen

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu usé pra o meu viagem a Porto Rico a guia do Frommers, mas não gosto muito dela. Eu penso que está cheia de tópicos e não descobre nada novo. É melhor pesquisar "in situ" (se tem dias para pesquisar, claro)
Beijos e um abraço.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Aline,

Fotos é coisa pro Arnaldo e Tony! Falando nisso, Arnaldo estava aí no Japão!

Parece que a Gol vai adotar o modelo misto... Como o mundo dá voltas...

Rafael,

E esse hotel? O pessoal da da pousadiiiiinha é que falou para não ir caminhando naquela hora pra lá...

Rosa,

Bogotá nunca me atraiu, mas foi agradável a parada por lá. Todo lugar novo me ensina algo ou gera uma experiência engrandecedora.

Marceu,

Nesse caso não seria conexão. Seria um stopover. Antigamente podia-se fazer um Stopover em passagens internacionais, ms acho que não era permitido fazer esse stopoverno pais de origem da passagem. Confirme com eles essa informação.

Só li vacina de Febre Amarela. Sarampo e Rúbeola podem ser aconselhadas, mas quem já teve essad oenças não precisa ser mais vacinado. Tem campanha de Rúbeola no Brasil se você se interessar (é aconselhavel, mas não por causa da sua viagem).

Carmen,

Você é sempre muito doce com seus comentários.

Uso o Frommers para países mais baratos e o Lonely Planet para os mais caros. Mas algumas vezes não há opção, como no caso de Bogotá. Tenho um Lonely Planet dó Sudoeste Asiático que é muito bom, mas tenho outro do Japão que achei muiiiito fraco...Acho que depende do autor...

Um abraço a todos

Rodrigo Purisch disse...

Paula*

Obrigado!

Mirella disse...

Gosto quando você faz um pit-stop em algumas cidade/atrações... eheheh!
Adorei conhecer Bogota por suas lentes e palavras.
Abs

Marceu disse...

Alguem aqui será que conseguiu emitir, pela TAM, a passagem através dos pontos? Tentei fazer para um amigo meu e depois de tentar vários dias em novembro, não consegui nenhum. O atendente alegou que é por falta de disponibilidade da LAN. Por curiosidade tentei pela VARIG e a atendente informou tb que não havia disponibilidade durante todo mês de novembro. O que será q está havendo? Talvez esse post rendeu ein...

Rodrigo Purisch disse...

Mirella,

Obrigado pelos elogios. Mas acho que você conheceu Bogotá por meio do meu texto. O foto mesmo e não tiro não, essas ai são coisa de amador.. fotografia é coisa para o Tony, Arnaldo e Riq.

Marceu,

Esse é o grande problema desses acordos da TAM e era dos vôos nas parceiras Star do Smiles, o número de assentos consegue ser ainda menor que os dos vôos próprios...

A Varig está implantando mudanças nos horários e rotas após a fusão com a Gol. Há ainda o embargo do Smiles que postei hoje.

Um abraço a todos

terça-feira, setembro 23, 2008

Bogotá: Microguia Para Quem For Fazer Conexão Por lá. A Cidade.


Vamos a algumas dicas que podem ser úteis para você que deciciu fazer uma paradinha em Bogotá.

Clima
Bogotá é a terceira capital mais alta do mundo (está a 2600 metros de altitude), o que pode causar mal estar para alguns devido ao ar rarefeito. Não senti nada, nem subindo as ladeiras do centro histórico, mas parti de Belo Horizonte que tem áreas com altitude de cerca de metade da de Bogotá.

Apesar de estar próxima a Linha do Equador, a temperatura costuma ser amena (20 graus) durante o dia chegando a ficar fria (uns 9 graus durante a noite). Durante a viagem, peguei dias agradáveis com noites um pouco frias, mas nada de insuportável com a ajuda de um casaco. Portanto, não esqueça de trazer um casaco quente e leve, mesmo sendo seu destino final a quente Miami. Uma chuvinha fraca também é comum por lá, mas nada que atrapalhe sua vida.

Dinheiro
A moeda corrente é o Cop (Peso Colombiano). Em setembro de 2008, 1000 Cops valiam cerca de 48 centavos de dólar americano ou 87 centavos de Reais.

Preços
Alimentação e transporte são um pouco mais baratos que as de Belo Horizonte, ou seja, preços mais baratos que os de São Paulo e Rio de Janeiro, mas nada que se compare a Buenos Aires.

A cidade
Bogotá é margeada em sua porção leste por montanhas. A cidade se desenvolveu no eixo Norte-Sul. Inicialmente, partiu do Sul em direção ao Norte. A Candelária (bairro colonial da cidade) está ao sul colado nas montanhas. Seguindo em direção norte, passa-se pelo centro de Bogotá (área sem maior interesse turístico e onde estão os arranha-céus de Bogotá) e posteriormente chega-se aos Distritos do Norte. A Carrera (av.) 10, situada a oeste das montanhas, meio que faz limite de até onde há interesse turístico e, segundo os guias, de até onde o turista pode andar mais tranqüilo.


Na Candelária e em seus arredores encontram-se a maioria dos pontos turísticos de maior interesse. Museu Del Oro (que encontra-se em reforma), A Casa de La Moneda (Museu do Banco de La Republica) onde podem ser vista uma amostra do acervo do Museu do Ouro e exposição de moedas antigas, além de estar germinada com a Donación Botero (onde há uma exposição permanente das obras de Botero, com entrada franca), Plaza de Bolívar (onde se situa o Congresso Nacional, a Prefeitura, a Suprema Corte e a Capilla del Sagrario, única remanescente do período colonial na praça). Ruas estreitas com passeios idem, algumas ladeiras, casas em estilo colonial espanhol, pequenos restaurantes, hotéis, pousadas e guesthouses.


No topo da montanha que margeia a Candelária, situa-se o Cerro de Monserrate que é um dos picos daquela cadeia montanhosa e onde se situa uma capela. De lá se tem uma bela vista da cidade. A subida ao topo é feita por teleféricos e por um trenzinho (funicular) que partem da estação Lower Station ao pé da Montanha. Apesar da estação estar próxima a Candelária, é aconselhável pegar um táxi até lá (uns 3000 a 4000 cops). Cada opção de subida tem seus horários e preços. Consulte-os aqui.


Sugiro fazer como eu fiz: pegue um táxi (mesmo se você estiver na vizinha Candelária) até a estação de onde partem o Bondinho e o funicular. Vá por volta das 5-6 horas (procure saber a que horas é o por do sol), com isso você pega um pouco da luz do dia e ainda vê o por do sol lá em cima. Existe uma pequena feirinha de lembranças, uma lanchonete, um restaurante popular e um outro sofisticado e estrelado lá no topo. Quando fui, poucas lojinhas estavam abertas, além da simples lanchonete e do restaurante sofisticado. Leve um agasalho. Segundo me informei, os finais de semana tem um movimento intenso.


Nos Distritos Norte concentram-se as zonas residenciais mais nobres, embaixadas e melhores restaurantes da cidade. Também é tida como a região mais segura de Bogotá. Não tive tempo de conhecê-la, já que 1 dia foi o tempo deixado para a conexão.

Hospedagem
Se você fizer questão de dormir em um hotel médio para cima em Bogotá, prepare-se para gastar no mínimo 90 USD por noite. Mesmo usando o Tripadvisor, não é fácil achar opções de hospedagem por esse preço. Mas se você topar dormir em pousadas com “p” minúsculo, albergues ou guesthouses com banheiro privativo, você encontrará algumas poucas opções por cerca de 70 reais a noite na região da Candelária (área histórica de Bogotá). Se for mochileiro e topar dormir em qualquer lugar, então você não terá problemas, já que os preços atingem valores dentro do padrão internacional para esse tipo de acomodação. Eu fiquei numa pousada com "p" minúuuusculo indicada pelo Lonely Planet. Como era para ser apenas uma noite e a ordem era economizar, foi ela a escolhida. Mas mesmo não ligando muito para hotéis (faço questão de localização próxima ao transporte público e banheiro limpo), essa não chega a atingir meus padrões mínimos de limpeza não, apesar da boa localização. Mas de vez em quando faço algumas concessões ao meu padrão....

Duas áreas se destacam para hospedagem: a Candelária (zona histórica) e nos Distritos Norte (zona nobre). Como o tempo era curto optei por ficar na Candelária, apesar de ser uma zona morta durante a noite (tarde da noite é recomendável andar de táxis). Não me arrependo da escolha do local não (a pousadiiiiinha era bem localizada). Não deu tempo para pesquisar outras opções de hospedagem. Se alguém tiver dicas, é só colocar nos comentários. O Aquela Passagem e os demais leitores agradecem!


Transporte
A cidade baseia-se nos táxis, ônibus, microônibus e no Transmilênio.

Os táxis não são caros, mas em sua maioria são do tipo micro-carro urbano de origem coreana, muito conveniente para as estreitas ruas da Candelária. O problema é que muitos não gostam de usar o taxímetro para nós turistas. Portanto, certifique-se que ele vai usá-lo antes de iniciar a corrida. O valor do taxímetro e transposto para uma tabela e lá se acha o preço final.

Os microônibus e ônibus rodam por vários locais e podem ser uma opção para quem está com orçamento mais curto.

O Transmilênio é uma adaptação colombiana do sistema de ônibus de Curitiba. Ônibus que andam em vias exclusivas cortando a cidade na forma de linhas de metrô e onde o embarque e desembarque são realizados em microestações elevadas em relação ao nível da rua. Uma passagem custa 1500 cops. Não cheguei a usá-lo, já que fiquei restrito a Candelária.

Segurança
Bogotá apresentou uma importante redução dos índices de violência nos últimos anos. Durante o dia é muito fácil encontrar policiais nas ruas (existe inclusive uma polícia turística muito presente na Candelária e Plaza de Bolivar). Tarde da noite (depois das 22:30) as ruas da Candelária se tornam mais vazias, inclusive de policiais, sendo recomendável o uso de táxi para ir de um ponto a outro. Me senti tão seguro quanto andando em uma de nossas cidades brasileiras. Portanto, tome os mesmos cuidados que você teria ao nadar em uma grande cidade brasileira. Os sequestros relâmpago são comuns por lá também...

Comida
Tanto na região da Candelária como nos Distritos Norte (gastronomia mais fina e boates), você encontrará boas opções para se comer. Lanchonetes, padarias, pizzarias, cafés com comidas regionais colombianas (não muito distantes do que se come no centro-sul do Brasil, talvez com um pouco mais de banana), francesas, judaicas, italianas, entre outras, estão disponíveis pelos quatro cantos da Candelária. Testei o Puerta Falsa (pequeno café onde comia meu desjejum), o Fulanitos(com comida do sul da Colômbia) e a padaria com pães franceses Peche Mignon. Nenhum deles ganha nota 10, mas não comprometem sua refeição. Preços um pouco abaixo dos pagos em São Paulo ou Rio de janeiro. Se seu orçamento estiver muito apertado, existe um supermercado ao lado da Plaza de Bolívar na carrera 7 em direção a Av Jiménez. Nessa mesma carrera existe um comércio variado e popular. Atenção, as pessoas comem cedo em Bogotá. Na Candelária, muitos restaurantes fecham as 9 da noite.

Bogotá é uma cidade que tem lá seus encantos, não é nenhum destino obrigatório para se conhecer, mas como parada obrigatória numa viagem merece ser conhecida. Impulsionada pelo crescimento econômico, a cidade tem crescido sem se entupir de prédios altos fechando seu horizonte. Mas isso é uma visão pessoal.

Dica final: No Frommers, as informações sobre Bogotá são restritas. Vale a pena então pagar 5 USD (eu paguei 3,50 USD numa promoção) e comprar uma cópia em PDF (que você pode imprimir na sua casa) na loja on-line do Lonely Planet. Uma licenca será enviado para seu email e você poderá fazer o download do capítulo. Ele vem com bons mapas e com a descrição de restaurantes e locais de hospedagem. O suficiente para se informar sobre a cidade em uma parada tão rápida como a eu fiz.

13 comentários:

Aline Lima disse...

Não tenho intenção de visitar Bogotá tão cedo, mas adorei as fotos!

Anônimo disse...

Viu essa noticia no FRadar que a Gol deixara memso de ser low-cost? Que confisao...

Rafael disse...

Parece que você descreveu a minha viagem !!! Fiquei num hotel recomendado pelo Lonely Planet (comprei o pdf no site tambem) a 3 quadras do museu da moeda e do botero, e paguei 40 mil pesos.
Eu só recomendaria ir caminhando até o Cerro MontSerrat, pois a caminhada é bastante agradável. E, no caminho, tem um Crepes y Wafles (http://www.crepesywaffles.com/), certamente o melhor lugar que me alimentei em bogotá.

Anônimo disse...

Rodrigo, o que considero muito importante nos depoimentos de viagem é que sempre há um encanto nos lugares que visitamos, mesmo aqueles não tidos com um destino de viagem, como Bogotá, por exemplo. Depois da sua descrição, Bogotá já me parece mais simpática. RosaBsb

Paula* disse...

Rodrigo, você arrebentou! Um super-micro-guia! Fiquei até com vontade de conhecer Bogotá! :-)
Paula*

Marceu disse...

Rodrigo, segue minha dúvida que central smiles não me convenceu. A minha volta é Bogotá - Florianópolis, que tem uma conexão em São Paulo, se eu quiser alterar somente a data da conexão? No caso específico esse vôo sai as 20:30, chegando em SP no outro dia as 5:30, ai de SP p/ Floripa é 12:36. Mas se eu quiser vir de SP para Floripa dois dias depois? Pelo que a atendente informou essa conexão deveria ocorrer em até 12h, Mas pelo seu conhecimento isso é verdade? Por fim, fui informado que além da vacina para febre amarela, deveremos ter a vacina da rubéola e também do sarampo. E ai? Valeu cara, está ótimo o seu super micro-guia. Parabéns!

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu sou feliz de ler o seu post tão viajante. Uma aventura terrestre, despois do voar tantas horas juntos em aquela passagem!!!
Parabéns por o post terrestre e espero voar muitas horas com você.
Um abraço
Carmen

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu usé pra o meu viagem a Porto Rico a guia do Frommers, mas não gosto muito dela. Eu penso que está cheia de tópicos e não descobre nada novo. É melhor pesquisar "in situ" (se tem dias para pesquisar, claro)
Beijos e um abraço.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Aline,

Fotos é coisa pro Arnaldo e Tony! Falando nisso, Arnaldo estava aí no Japão!

Parece que a Gol vai adotar o modelo misto... Como o mundo dá voltas...

Rafael,

E esse hotel? O pessoal da da pousadiiiiinha é que falou para não ir caminhando naquela hora pra lá...

Rosa,

Bogotá nunca me atraiu, mas foi agradável a parada por lá. Todo lugar novo me ensina algo ou gera uma experiência engrandecedora.

Marceu,

Nesse caso não seria conexão. Seria um stopover. Antigamente podia-se fazer um Stopover em passagens internacionais, ms acho que não era permitido fazer esse stopoverno pais de origem da passagem. Confirme com eles essa informação.

Só li vacina de Febre Amarela. Sarampo e Rúbeola podem ser aconselhadas, mas quem já teve essad oenças não precisa ser mais vacinado. Tem campanha de Rúbeola no Brasil se você se interessar (é aconselhavel, mas não por causa da sua viagem).

Carmen,

Você é sempre muito doce com seus comentários.

Uso o Frommers para países mais baratos e o Lonely Planet para os mais caros. Mas algumas vezes não há opção, como no caso de Bogotá. Tenho um Lonely Planet dó Sudoeste Asiático que é muito bom, mas tenho outro do Japão que achei muiiiito fraco...Acho que depende do autor...

Um abraço a todos

Rodrigo Purisch disse...

Paula*

Obrigado!

Mirella disse...

Gosto quando você faz um pit-stop em algumas cidade/atrações... eheheh!
Adorei conhecer Bogota por suas lentes e palavras.
Abs

Marceu disse...

Alguem aqui será que conseguiu emitir, pela TAM, a passagem através dos pontos? Tentei fazer para um amigo meu e depois de tentar vários dias em novembro, não consegui nenhum. O atendente alegou que é por falta de disponibilidade da LAN. Por curiosidade tentei pela VARIG e a atendente informou tb que não havia disponibilidade durante todo mês de novembro. O que será q está havendo? Talvez esse post rendeu ein...

Rodrigo Purisch disse...

Mirella,

Obrigado pelos elogios. Mas acho que você conheceu Bogotá por meio do meu texto. O foto mesmo e não tiro não, essas ai são coisa de amador.. fotografia é coisa para o Tony, Arnaldo e Riq.

Marceu,

Esse é o grande problema desses acordos da TAM e era dos vôos nas parceiras Star do Smiles, o número de assentos consegue ser ainda menor que os dos vôos próprios...

A Varig está implantando mudanças nos horários e rotas após a fusão com a Gol. Há ainda o embargo do Smiles que postei hoje.

Um abraço a todos

terça-feira, setembro 23, 2008

Bogotá: Microguia Para Quem For Fazer Conexão Por lá. A Cidade.


Vamos a algumas dicas que podem ser úteis para você que deciciu fazer uma paradinha em Bogotá.

Clima
Bogotá é a terceira capital mais alta do mundo (está a 2600 metros de altitude), o que pode causar mal estar para alguns devido ao ar rarefeito. Não senti nada, nem subindo as ladeiras do centro histórico, mas parti de Belo Horizonte que tem áreas com altitude de cerca de metade da de Bogotá.

Apesar de estar próxima a Linha do Equador, a temperatura costuma ser amena (20 graus) durante o dia chegando a ficar fria (uns 9 graus durante a noite). Durante a viagem, peguei dias agradáveis com noites um pouco frias, mas nada de insuportável com a ajuda de um casaco. Portanto, não esqueça de trazer um casaco quente e leve, mesmo sendo seu destino final a quente Miami. Uma chuvinha fraca também é comum por lá, mas nada que atrapalhe sua vida.

Dinheiro
A moeda corrente é o Cop (Peso Colombiano). Em setembro de 2008, 1000 Cops valiam cerca de 48 centavos de dólar americano ou 87 centavos de Reais.

Preços
Alimentação e transporte são um pouco mais baratos que as de Belo Horizonte, ou seja, preços mais baratos que os de São Paulo e Rio de Janeiro, mas nada que se compare a Buenos Aires.

A cidade
Bogotá é margeada em sua porção leste por montanhas. A cidade se desenvolveu no eixo Norte-Sul. Inicialmente, partiu do Sul em direção ao Norte. A Candelária (bairro colonial da cidade) está ao sul colado nas montanhas. Seguindo em direção norte, passa-se pelo centro de Bogotá (área sem maior interesse turístico e onde estão os arranha-céus de Bogotá) e posteriormente chega-se aos Distritos do Norte. A Carrera (av.) 10, situada a oeste das montanhas, meio que faz limite de até onde há interesse turístico e, segundo os guias, de até onde o turista pode andar mais tranqüilo.


Na Candelária e em seus arredores encontram-se a maioria dos pontos turísticos de maior interesse. Museu Del Oro (que encontra-se em reforma), A Casa de La Moneda (Museu do Banco de La Republica) onde podem ser vista uma amostra do acervo do Museu do Ouro e exposição de moedas antigas, além de estar germinada com a Donación Botero (onde há uma exposição permanente das obras de Botero, com entrada franca), Plaza de Bolívar (onde se situa o Congresso Nacional, a Prefeitura, a Suprema Corte e a Capilla del Sagrario, única remanescente do período colonial na praça). Ruas estreitas com passeios idem, algumas ladeiras, casas em estilo colonial espanhol, pequenos restaurantes, hotéis, pousadas e guesthouses.


No topo da montanha que margeia a Candelária, situa-se o Cerro de Monserrate que é um dos picos daquela cadeia montanhosa e onde se situa uma capela. De lá se tem uma bela vista da cidade. A subida ao topo é feita por teleféricos e por um trenzinho (funicular) que partem da estação Lower Station ao pé da Montanha. Apesar da estação estar próxima a Candelária, é aconselhável pegar um táxi até lá (uns 3000 a 4000 cops). Cada opção de subida tem seus horários e preços. Consulte-os aqui.


Sugiro fazer como eu fiz: pegue um táxi (mesmo se você estiver na vizinha Candelária) até a estação de onde partem o Bondinho e o funicular. Vá por volta das 5-6 horas (procure saber a que horas é o por do sol), com isso você pega um pouco da luz do dia e ainda vê o por do sol lá em cima. Existe uma pequena feirinha de lembranças, uma lanchonete, um restaurante popular e um outro sofisticado e estrelado lá no topo. Quando fui, poucas lojinhas estavam abertas, além da simples lanchonete e do restaurante sofisticado. Leve um agasalho. Segundo me informei, os finais de semana tem um movimento intenso.


Nos Distritos Norte concentram-se as zonas residenciais mais nobres, embaixadas e melhores restaurantes da cidade. Também é tida como a região mais segura de Bogotá. Não tive tempo de conhecê-la, já que 1 dia foi o tempo deixado para a conexão.

Hospedagem
Se você fizer questão de dormir em um hotel médio para cima em Bogotá, prepare-se para gastar no mínimo 90 USD por noite. Mesmo usando o Tripadvisor, não é fácil achar opções de hospedagem por esse preço. Mas se você topar dormir em pousadas com “p” minúsculo, albergues ou guesthouses com banheiro privativo, você encontrará algumas poucas opções por cerca de 70 reais a noite na região da Candelária (área histórica de Bogotá). Se for mochileiro e topar dormir em qualquer lugar, então você não terá problemas, já que os preços atingem valores dentro do padrão internacional para esse tipo de acomodação. Eu fiquei numa pousada com "p" minúuuusculo indicada pelo Lonely Planet. Como era para ser apenas uma noite e a ordem era economizar, foi ela a escolhida. Mas mesmo não ligando muito para hotéis (faço questão de localização próxima ao transporte público e banheiro limpo), essa não chega a atingir meus padrões mínimos de limpeza não, apesar da boa localização. Mas de vez em quando faço algumas concessões ao meu padrão....

Duas áreas se destacam para hospedagem: a Candelária (zona histórica) e nos Distritos Norte (zona nobre). Como o tempo era curto optei por ficar na Candelária, apesar de ser uma zona morta durante a noite (tarde da noite é recomendável andar de táxis). Não me arrependo da escolha do local não (a pousadiiiiinha era bem localizada). Não deu tempo para pesquisar outras opções de hospedagem. Se alguém tiver dicas, é só colocar nos comentários. O Aquela Passagem e os demais leitores agradecem!


Transporte
A cidade baseia-se nos táxis, ônibus, microônibus e no Transmilênio.

Os táxis não são caros, mas em sua maioria são do tipo micro-carro urbano de origem coreana, muito conveniente para as estreitas ruas da Candelária. O problema é que muitos não gostam de usar o taxímetro para nós turistas. Portanto, certifique-se que ele vai usá-lo antes de iniciar a corrida. O valor do taxímetro e transposto para uma tabela e lá se acha o preço final.

Os microônibus e ônibus rodam por vários locais e podem ser uma opção para quem está com orçamento mais curto.

O Transmilênio é uma adaptação colombiana do sistema de ônibus de Curitiba. Ônibus que andam em vias exclusivas cortando a cidade na forma de linhas de metrô e onde o embarque e desembarque são realizados em microestações elevadas em relação ao nível da rua. Uma passagem custa 1500 cops. Não cheguei a usá-lo, já que fiquei restrito a Candelária.

Segurança
Bogotá apresentou uma importante redução dos índices de violência nos últimos anos. Durante o dia é muito fácil encontrar policiais nas ruas (existe inclusive uma polícia turística muito presente na Candelária e Plaza de Bolivar). Tarde da noite (depois das 22:30) as ruas da Candelária se tornam mais vazias, inclusive de policiais, sendo recomendável o uso de táxi para ir de um ponto a outro. Me senti tão seguro quanto andando em uma de nossas cidades brasileiras. Portanto, tome os mesmos cuidados que você teria ao nadar em uma grande cidade brasileira. Os sequestros relâmpago são comuns por lá também...

Comida
Tanto na região da Candelária como nos Distritos Norte (gastronomia mais fina e boates), você encontrará boas opções para se comer. Lanchonetes, padarias, pizzarias, cafés com comidas regionais colombianas (não muito distantes do que se come no centro-sul do Brasil, talvez com um pouco mais de banana), francesas, judaicas, italianas, entre outras, estão disponíveis pelos quatro cantos da Candelária. Testei o Puerta Falsa (pequeno café onde comia meu desjejum), o Fulanitos(com comida do sul da Colômbia) e a padaria com pães franceses Peche Mignon. Nenhum deles ganha nota 10, mas não comprometem sua refeição. Preços um pouco abaixo dos pagos em São Paulo ou Rio de janeiro. Se seu orçamento estiver muito apertado, existe um supermercado ao lado da Plaza de Bolívar na carrera 7 em direção a Av Jiménez. Nessa mesma carrera existe um comércio variado e popular. Atenção, as pessoas comem cedo em Bogotá. Na Candelária, muitos restaurantes fecham as 9 da noite.

Bogotá é uma cidade que tem lá seus encantos, não é nenhum destino obrigatório para se conhecer, mas como parada obrigatória numa viagem merece ser conhecida. Impulsionada pelo crescimento econômico, a cidade tem crescido sem se entupir de prédios altos fechando seu horizonte. Mas isso é uma visão pessoal.

Dica final: No Frommers, as informações sobre Bogotá são restritas. Vale a pena então pagar 5 USD (eu paguei 3,50 USD numa promoção) e comprar uma cópia em PDF (que você pode imprimir na sua casa) na loja on-line do Lonely Planet. Uma licenca será enviado para seu email e você poderá fazer o download do capítulo. Ele vem com bons mapas e com a descrição de restaurantes e locais de hospedagem. O suficiente para se informar sobre a cidade em uma parada tão rápida como a eu fiz.

13 comentários:

Aline Lima disse...

Não tenho intenção de visitar Bogotá tão cedo, mas adorei as fotos!

Anônimo disse...

Viu essa noticia no FRadar que a Gol deixara memso de ser low-cost? Que confisao...

Rafael disse...

Parece que você descreveu a minha viagem !!! Fiquei num hotel recomendado pelo Lonely Planet (comprei o pdf no site tambem) a 3 quadras do museu da moeda e do botero, e paguei 40 mil pesos.
Eu só recomendaria ir caminhando até o Cerro MontSerrat, pois a caminhada é bastante agradável. E, no caminho, tem um Crepes y Wafles (http://www.crepesywaffles.com/), certamente o melhor lugar que me alimentei em bogotá.

Anônimo disse...

Rodrigo, o que considero muito importante nos depoimentos de viagem é que sempre há um encanto nos lugares que visitamos, mesmo aqueles não tidos com um destino de viagem, como Bogotá, por exemplo. Depois da sua descrição, Bogotá já me parece mais simpática. RosaBsb

Paula* disse...

Rodrigo, você arrebentou! Um super-micro-guia! Fiquei até com vontade de conhecer Bogotá! :-)
Paula*

Marceu disse...

Rodrigo, segue minha dúvida que central smiles não me convenceu. A minha volta é Bogotá - Florianópolis, que tem uma conexão em São Paulo, se eu quiser alterar somente a data da conexão? No caso específico esse vôo sai as 20:30, chegando em SP no outro dia as 5:30, ai de SP p/ Floripa é 12:36. Mas se eu quiser vir de SP para Floripa dois dias depois? Pelo que a atendente informou essa conexão deveria ocorrer em até 12h, Mas pelo seu conhecimento isso é verdade? Por fim, fui informado que além da vacina para febre amarela, deveremos ter a vacina da rubéola e também do sarampo. E ai? Valeu cara, está ótimo o seu super micro-guia. Parabéns!

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu sou feliz de ler o seu post tão viajante. Uma aventura terrestre, despois do voar tantas horas juntos em aquela passagem!!!
Parabéns por o post terrestre e espero voar muitas horas com você.
Um abraço
Carmen

Anônimo disse...

Rodrigo,
eu usé pra o meu viagem a Porto Rico a guia do Frommers, mas não gosto muito dela. Eu penso que está cheia de tópicos e não descobre nada novo. É melhor pesquisar "in situ" (se tem dias para pesquisar, claro)
Beijos e um abraço.
Carmen

Rodrigo Purisch disse...

Aline,

Fotos é coisa pro Arnaldo e Tony! Falando nisso, Arnaldo estava aí no Japão!

Parece que a Gol vai adotar o modelo misto... Como o mundo dá voltas...

Rafael,

E esse hotel? O pessoal da da pousadiiiiinha é que falou para não ir caminhando naquela hora pra lá...

Rosa,

Bogotá nunca me atraiu, mas foi agradável a parada por lá. Todo lugar novo me ensina algo ou gera uma experiência engrandecedora.

Marceu,

Nesse caso não seria conexão. Seria um stopover. Antigamente podia-se fazer um Stopover em passagens internacionais, ms acho que não era permitido fazer esse stopoverno pais de origem da passagem. Confirme com eles essa informação.

Só li vacina de Febre Amarela. Sarampo e Rúbeola podem ser aconselhadas, mas quem já teve essad oenças não precisa ser mais vacinado. Tem campanha de Rúbeola no Brasil se você se interessar (é aconselhavel, mas não por causa da sua viagem).

Carmen,

Você é sempre muito doce com seus comentários.

Uso o Frommers para países mais baratos e o Lonely Planet para os mais caros. Mas algumas vezes não há opção, como no caso de Bogotá. Tenho um Lonely Planet dó Sudoeste Asiático que é muito bom, mas tenho outro do Japão que achei muiiiito fraco...Acho que depende do autor...

Um abraço a todos

Rodrigo Purisch disse...

Paula*

Obrigado!

Mirella disse...

Gosto quando você faz um pit-stop em algumas cidade/atrações... eheheh!
Adorei conhecer Bogota por suas lentes e palavras.
Abs

Marceu disse...

Alguem aqui será que conseguiu emitir, pela TAM, a passagem através dos pontos? Tentei fazer para um amigo meu e depois de tentar vários dias em novembro, não consegui nenhum. O atendente alegou que é por falta de disponibilidade da LAN. Por curiosidade tentei pela VARIG e a atendente informou tb que não havia disponibilidade durante todo mês de novembro. O que será q está havendo? Talvez esse post rendeu ein...

Rodrigo Purisch disse...

Mirella,

Obrigado pelos elogios. Mas acho que você conheceu Bogotá por meio do meu texto. O foto mesmo e não tiro não, essas ai são coisa de amador.. fotografia é coisa para o Tony, Arnaldo e Riq.

Marceu,

Esse é o grande problema desses acordos da TAM e era dos vôos nas parceiras Star do Smiles, o número de assentos consegue ser ainda menor que os dos vôos próprios...

A Varig está implantando mudanças nos horários e rotas após a fusão com a Gol. Há ainda o embargo do Smiles que postei hoje.

Um abraço a todos