sábado, setembro 06, 2008

Privatização dos Aeroportos: Mais Um Anúncio de Impacto Sem Efeito Concreto?

O governo está anunciando que os aeroportos de Viracorpos em Campinas, o Galeão no Rio e o novo aeroporto a ser construído em São Paulo serão passados para administração privada na forma de concessão.

Tomara que isso venha a ocorrer, já que a Infrazero não consegue mostrar serviço e não para de responder por denúncias de obras superfaturadas.

Não me esqueço que o governo e o Ministro da Defesa já fizeram inúmeros anúncios de medidas com grande impacto na mídia e que tiveram pouco ou nenhum efeito na prática. Novos radares, uma política de incentivo para a carreira de controladores, fim de novos vôos em Guarulhos, fechamento de Congonhas para vôos de conexão nacional de longa distância, multas altas e altas taxas para desestimular o uso de Guarulhos (incentivando a desconcentração dos vôos) e o cancelamento de vôos ou permanência de aeronaves por um longo período em solo nos aeroportos congestionados, entre outros anúncios, já foram feitos.

Nada se fala de segurança de vôo. Estamos prontos para as novas chuvas, para as quedas de energia nos sistemas de controle de vôos dos aeroportos? E os novos radares já chegaram? Temos controladores suficientes para o aumento de demanda e para uma operação mais eficiente dos aeroportos?

Além disso tudo, essa famosa concessão ainda tem mudar a lei que cria a Infraero e o marco regulador da aviação no Brasil. Muita coisa para fazer antes de sair anunciando medias milagrosas, já que a parte que cabe ao governo ainda não foi feita.

Obrigado a Pêesse e a Majô pelo envio das dicas da matéria.

4 comentários:

FILIGRANA disse...

Rodrigo, você tem razão, vamos ver no que isso vai dar. Me parece que o governador do Rio vai empurrar isso.
Quanto aos controladores de vôo, radares e outros aspectos tão importantes, não temos notícias se houve avanços.
É bom chamar atenção mesmo como podemos.
Abraços,

Maceu disse...

Rodrigo, aguardamos ansiosamente o post da viagem para Miami via Bogota com direito a cruzeiro!! Abraço

VidaDeTurista disse...

Bem.. Pelo menos o discurso para uma solução "rápida" (visto que o Rio está em disputa para sediar os jogos olímpicos) foi dada.. Esperar pra ver.. Como a gente sabe, a esperança é a última que morre.. ^^

Rodrigo Purisch disse...

Majô,

Interesse tem. Mas tudo que é feito na marra ou na pressa no Brasil sai pior que a encomenda ou sai mais caro que em qualquer lugar do mundo ou sobra para o contribuinte.

Thiago,

Meu medo é que venham aumentar as taxas de embarque (uma das maiores entre os paises tidos como em desenvolvimento ou desenvolvidos) usando a justificativade que os custos para operar uma eroporto no brasil são altos demais...


Sonho ver no Brasil uma eroporto como o de Cingapura qeu desafia ao usuário provar que os preços dos serviços oferecidos lá são mais caros dos que em média são praticados na cidade...

Um abraço

sábado, setembro 06, 2008

Privatização dos Aeroportos: Mais Um Anúncio de Impacto Sem Efeito Concreto?

O governo está anunciando que os aeroportos de Viracorpos em Campinas, o Galeão no Rio e o novo aeroporto a ser construído em São Paulo serão passados para administração privada na forma de concessão.

Tomara que isso venha a ocorrer, já que a Infrazero não consegue mostrar serviço e não para de responder por denúncias de obras superfaturadas.

Não me esqueço que o governo e o Ministro da Defesa já fizeram inúmeros anúncios de medidas com grande impacto na mídia e que tiveram pouco ou nenhum efeito na prática. Novos radares, uma política de incentivo para a carreira de controladores, fim de novos vôos em Guarulhos, fechamento de Congonhas para vôos de conexão nacional de longa distância, multas altas e altas taxas para desestimular o uso de Guarulhos (incentivando a desconcentração dos vôos) e o cancelamento de vôos ou permanência de aeronaves por um longo período em solo nos aeroportos congestionados, entre outros anúncios, já foram feitos.

Nada se fala de segurança de vôo. Estamos prontos para as novas chuvas, para as quedas de energia nos sistemas de controle de vôos dos aeroportos? E os novos radares já chegaram? Temos controladores suficientes para o aumento de demanda e para uma operação mais eficiente dos aeroportos?

Além disso tudo, essa famosa concessão ainda tem mudar a lei que cria a Infraero e o marco regulador da aviação no Brasil. Muita coisa para fazer antes de sair anunciando medias milagrosas, já que a parte que cabe ao governo ainda não foi feita.

Obrigado a Pêesse e a Majô pelo envio das dicas da matéria.

4 comentários:

FILIGRANA disse...

Rodrigo, você tem razão, vamos ver no que isso vai dar. Me parece que o governador do Rio vai empurrar isso.
Quanto aos controladores de vôo, radares e outros aspectos tão importantes, não temos notícias se houve avanços.
É bom chamar atenção mesmo como podemos.
Abraços,

Maceu disse...

Rodrigo, aguardamos ansiosamente o post da viagem para Miami via Bogota com direito a cruzeiro!! Abraço

VidaDeTurista disse...

Bem.. Pelo menos o discurso para uma solução "rápida" (visto que o Rio está em disputa para sediar os jogos olímpicos) foi dada.. Esperar pra ver.. Como a gente sabe, a esperança é a última que morre.. ^^

Rodrigo Purisch disse...

Majô,

Interesse tem. Mas tudo que é feito na marra ou na pressa no Brasil sai pior que a encomenda ou sai mais caro que em qualquer lugar do mundo ou sobra para o contribuinte.

Thiago,

Meu medo é que venham aumentar as taxas de embarque (uma das maiores entre os paises tidos como em desenvolvimento ou desenvolvidos) usando a justificativade que os custos para operar uma eroporto no brasil são altos demais...


Sonho ver no Brasil uma eroporto como o de Cingapura qeu desafia ao usuário provar que os preços dos serviços oferecidos lá são mais caros dos que em média são praticados na cidade...

Um abraço

sábado, setembro 06, 2008

Privatização dos Aeroportos: Mais Um Anúncio de Impacto Sem Efeito Concreto?

O governo está anunciando que os aeroportos de Viracorpos em Campinas, o Galeão no Rio e o novo aeroporto a ser construído em São Paulo serão passados para administração privada na forma de concessão.

Tomara que isso venha a ocorrer, já que a Infrazero não consegue mostrar serviço e não para de responder por denúncias de obras superfaturadas.

Não me esqueço que o governo e o Ministro da Defesa já fizeram inúmeros anúncios de medidas com grande impacto na mídia e que tiveram pouco ou nenhum efeito na prática. Novos radares, uma política de incentivo para a carreira de controladores, fim de novos vôos em Guarulhos, fechamento de Congonhas para vôos de conexão nacional de longa distância, multas altas e altas taxas para desestimular o uso de Guarulhos (incentivando a desconcentração dos vôos) e o cancelamento de vôos ou permanência de aeronaves por um longo período em solo nos aeroportos congestionados, entre outros anúncios, já foram feitos.

Nada se fala de segurança de vôo. Estamos prontos para as novas chuvas, para as quedas de energia nos sistemas de controle de vôos dos aeroportos? E os novos radares já chegaram? Temos controladores suficientes para o aumento de demanda e para uma operação mais eficiente dos aeroportos?

Além disso tudo, essa famosa concessão ainda tem mudar a lei que cria a Infraero e o marco regulador da aviação no Brasil. Muita coisa para fazer antes de sair anunciando medias milagrosas, já que a parte que cabe ao governo ainda não foi feita.

Obrigado a Pêesse e a Majô pelo envio das dicas da matéria.

4 comentários:

FILIGRANA disse...

Rodrigo, você tem razão, vamos ver no que isso vai dar. Me parece que o governador do Rio vai empurrar isso.
Quanto aos controladores de vôo, radares e outros aspectos tão importantes, não temos notícias se houve avanços.
É bom chamar atenção mesmo como podemos.
Abraços,

Maceu disse...

Rodrigo, aguardamos ansiosamente o post da viagem para Miami via Bogota com direito a cruzeiro!! Abraço

VidaDeTurista disse...

Bem.. Pelo menos o discurso para uma solução "rápida" (visto que o Rio está em disputa para sediar os jogos olímpicos) foi dada.. Esperar pra ver.. Como a gente sabe, a esperança é a última que morre.. ^^

Rodrigo Purisch disse...

Majô,

Interesse tem. Mas tudo que é feito na marra ou na pressa no Brasil sai pior que a encomenda ou sai mais caro que em qualquer lugar do mundo ou sobra para o contribuinte.

Thiago,

Meu medo é que venham aumentar as taxas de embarque (uma das maiores entre os paises tidos como em desenvolvimento ou desenvolvidos) usando a justificativade que os custos para operar uma eroporto no brasil são altos demais...


Sonho ver no Brasil uma eroporto como o de Cingapura qeu desafia ao usuário provar que os preços dos serviços oferecidos lá são mais caros dos que em média são praticados na cidade...

Um abraço